27.12.12

Far From the Tree: Parents, Children and the Search for Identity - Andrew Solomon


Este provavelmente é o último livro que leio em 2012 (ou não). Mil páginas de leitura muito instrutiva. Ele se divide em temas como nanismo, surdez, síndrome de down, autismo, esquizofrenia, prodígios, estupro, crime, transexualismo, enfim, condições e situações com as quais vários pais se deparam quando têm filhos. O autor entrevistou centenas de famílias e cada capítulo traz os relatos de suas experiências pessoais. É comovente ler sobre as dificuldades e transformações que ocorrem nas vidas de pais que têm filhos deficientes, que se comportam de formas consideradas diferentes ou inadequadas, quando as circunstâncias nas quais foram concebidos são terríveis ou quando eles parecem ir contra todos os valores que receberam na infância. 

Há famílias que se desintegram diante dos esforços e do estresse de criar um filho com dificuldades de desenvolvimento físico ou mental, ou "diferentes" de alguma forma; outras, no entanto, unem-se ainda mais. Algumas são explícitas em sua aceitação; outras, sentem vergonha. Algumas são incondicionais em seu amor; outras, reforçam ainda mais o sentimento de inadequação dos filhos.

O autor escreve sobre situações em que um elemento imprevisto é adicionado na relação entre pais e filhos e como a identidade de uns e outros é afetada no processo de busca pelo equilíbrio. Como reagir ao ser apontado como a mãe ou o pai que supostamente decidiu ter um filho incapaz de ter uma vida digna? Como conviver com as acusações e a culpa? Quais as reações e escolhas adequadas diante de filhos "diferentes"? É preciso aceitá-los ou tentar mudá-los? Como uma mãe pode amar um filho concebido após um estupro? Ou que comete crimes? Essas são algumas questões levantadas no livro. O autor deixa que os pais que entrevistou descrevam suas escolhas, digam o que pensam, permite que os filhos deem suas próprias opiniões e também fornece o ponto de vista médico e as estatísticas em cada caso.

Existem exemplos inspiradores e histórias tristes, mas é fácil perceber que, na maioria das vezes, o inferno realmente são os outros. Pais de filhos transexuais, encontram muita hostilidade. Pais com altas chances de conceber filhos com alterações genéticas - nanismo, surdez, problemas mentais ou motores - são condenados quando decidem ter um bebê. 

O livro também trata das crianças prodígio que, apesar da conotação positiva, também representam um desafio para os pais. Já no caso dos pais de crianças autistas e esquizofrênicas, as dificuldades são enormes, pois eles são excluídos do universo de seus próprios filhos e isso cria um grande sentimento de frustração e impotência.

Andrew Solomon, o autor, é homossexual e também escreve sobre seu processo de autodescoberta e aceitação. No último capítulo, ele descreve como se tornou pai e afirma que aquilo que ouviu durante suas pesquisas o ajudou a tomar essa decisão.

Recomendo a leitura para qualquer pessoa. Ele reforça as ideias de que tolerância é algo muito importante e de que ignorância e incompreensão provocam feridas difíceis de curar. O que escrevi aqui é curto e fragmentado, mas espero que tenha passado uma ideia de seu conteúdo.

(Far From the Tree ficou entre os dez melhores livros de não ficção na lista do New York Times deste ano, provavelmente demore um pouco para que seja traduzido para o português).


18.12.12

2666, Roberto Bolaño


Acabei lendo 2666 do Roberto Bolaño antes do final deste ano. E gostei muito. Bom terminar o ano com um livro ótimo, mas desconfio que este será apenas o primeiro de alguns outros, pois já tenho outras leituras engatilhadas, desta vez, livros de não ficção que me parecem muito interessantes. 

2666 é uma obra póstuma, Bolaño a escreveu antes de morrer, enquanto lutava contra um câncer, o editor escreve que o texto não seria muito diferente se Bolaño tivesse tido mais tempo para trabalhá-lo. O desejo do autor era que ele fosse publicado em cinco livros, mas acabou saindo em apenas um volume por decisão do editor e da esposa de Bolaño. Há quem concorde e quem discorde dessa decisão. Eu concordo. Apesar de as partes focarem personagens diferentes, elas se complementam, o elemento de união é uma cidade mexicana chamada Santa Teresa, onde ocorre uma série de assassinatos de mulheres, uma versão da real Ciudad Juárez. Todos os personagens acabam indo para lá em algum momento. 

Gostei muito da parte sobre os críticos, da parte sobre os assassinatos e do final, sobre Archimboldi. Os críticos são quatro pesquisadores europeus que se dedicam ao estudo de um escritor misterioso chamado Benno von Archimboldi. A parte sobre os assassinatos se concentra em Santa Teresa e descreve vários crimes cometidos nos anos 90. Gostaria que Bolaño tivesse desenvolvido mais essa parte, alguns dos personagens são muito interessantes, o jovem policial Lalo Cura e o romance entre o investigador Juan de Díos e a psiquiatra Elvira Campos dariam outros livros. 

Também há a parte sobre Amalfitano, um professor espanhol de filosofia que vive em Santa Teresa, e a parte sobre Fate, um jornalista negro que vai para a cidade cobrir uma luta de boxe. 

2666 e Os Detetives Selvagens são livros monumentais. Neles, Bolaño escreve sobre pessoas como se escrevesse sobre bolhas de sabão, coisas belas e efêmeras. E há uma sucessão delas, elas surgem e se tocam brevemente antes de desaparecem no ar.

2666 pode não ser um livro perfeito, mas é um grande livro e o próprio Bolaño, por meio de Amalfitano, reflete sobre as grandes obras literárias e sua imperfeição quando seu personagem encontra um jovem farmacêutico que prefere as obras menores dos grandes escritores:

"Ele escolheu A metamofose ao invés de O Processo, Bartleby ao invés de Moby Dick, Um Coração Simples ao invés de Bouvard e Pécuchet e Um Conto de Natal ao invés de Um Conto de Duas Cidades ou As Aventuras do Senhor Pickwick. Um triste paradoxo, pensou Amalfitano. Agora até mesmo os farmacêuticos amantes de literatura têm medo de pegar as obras grandes, imperfeitas e torrenciais, livros que abrem caminhos para o desconhecido. Eles escolhem os exercícios perfeitos dos grandes mestres. Ou o que dá no mesmo: eles querem ver os grandes mestres se pouparem, mas não têm interesse no combate real, quando os grandes mestres lutam contra algo, algo que apavora a todos, algo que nos intimida e estimula, em meio a sangue, feridas mortais e fedor."

Li em inglês, pois era a versão que tinha à disposição.



11.12.12

Biscottis com frutas secas


Gosto de preparar receitas de biscottis nesta época do ano. Elas geralmente rendem bem e são fáceis de fazer. Desta vez, experimentei a receita da BBC Food, achei que os biscottis ficaram mais duros do que os das versões que já publiquei aqui no blog antes, mas biscottis são biscoitos bem durinhos mesmo, feitos para durar muito. Talvez diminuir o segundo tempo de forno melhore esse quesito, mas ficaram bons. Usei os cranberries secos que encontrei no super no lugar das cerejas secas e apenas amêndoas, sem pistaches.



Biscottis com frutas secas

350g de farinha, mais um pouco para polvilhar
2 c chá de fermento em pó
2 c chá de mixed spices (usei um mistura de canela, cravo e noz moscada)
250g de açúcar (usei o orgânico)
3 ovos batidos
raspas da casca de 1 laranja
85g passas
85g cerejas secas (substituí por cranberries)
50g amêndoas inteiras
50g pistaches sem a casca


Preaqueça o forno à 180C. Forre duas formas com papel manteiga ou alumínio. 

Coloque a farinha, o fermento, o mixed spices e o açúcar em um recipiente grande. Adicione os ovos e as raspas de laranja, mexa até que a mistura comece a formar grumos, continue mexendo com as mãos até formar uma massa coesa, ela parece seca no começo, mas continue a trabalhá-la até que não haja mais farinha visível. Adicione as frutas secas e misture um pouco mais para distribui-las.

Coloque a massa sobre uma superfície ligeiramente enfarinhada e divida em 4 partes. Forme "troncos" com cerca 30 cm cada. Coloque dois deles sobre cada forma deixando um espaço entre eles. Asse por cerca de 25-30 min, até que a massa cresça e esteja firme ao toque, ainda sem tomar cor. Retire do forno e deixe esfriar por alguns minutos até atingir uma temperatura que permita o manuseio. Abaixe a temperatura do forno para 140C.

Com uma faca, corte cada um dos "troncos" em fatias com cerca de 1 cm de espessura na diagonal. Distribua os biscottis com o corte voltado para baixo sobre as formas. Asse por mais 15 minutos, vire e asse mais 15 minutos para secarem e dourarem. Deixe esfriar e conserve em um recipiente fechado por até um mês. 


28.11.12

Resoluções literárias para 2013



Limpeza. Começando pelos pingos de tinta aqui e ali. Poeira das lâmpadas do lado de fora, gavetas, armários e estantes de livro. Sempre acabo separando alguns livros para ler quando tiro o pó das estantes. Os livros e as estantes são sempre os mesmos, mas minhas escolhas geralmente mudam muito, o que me faz ter a ilusão de que, de certa forma, eu possa ter mudado. Pretendo ler ao menos um livro do Philip Roth em 2013, nunca li nada dele, também penso em começar 2666 do Roberto Bolaño, porque Detetives Selvagens foi praticamente o último livro que li com pena de saber que acabaria. Nenhum livro me marcou este ano, não houve nenhum que me agarrasse, arrastasse pelo chão e me fizesse chorar. Recomecei o primeiro volume da trilogia Tu Rostro Mañana do célebre Javier Marías pela segunda vez e parei no mesmo lugar, talvez devesse começar com algo mais modesto. Li muita coisa prática do estilo "aprenda a..." ou "como fazer...", alguns textos em japonês, não deu para ler em alemão. Tomei muitas decisões baseadas em meu amor pelos livros ao longo da vida, de vez em quando fico com um medinho de que ele acabe e ter que me perguntar: "E agora, José?".



25.11.12

Ervas

Plantei algumas mudas de ipomeia-rubra (ipomoea horsfalliae), uma trepadeira com flores lindas (ao menos nas fotos), junto ao alambrado da cerca. Espero que elas cresçam e apareçam, especialmente porque a casa ao lado foi vendida e  não quero abrir a porta e ver meus novos vizinhos entranto no banheiro externo em dias de churrasco. Também pedi algumas mudas de citronela, a Sonia escreveu que elas são boas para espantar os mosquitos e resolvi testar. A planta lembra muito o capim-limão, mas as folhas exalam o odor característico quando são quebradas. Plantei na frente das janelas do quarto e na frente da varanda, depois que crescerem bem, vou multiplicar e plantar onde der, também pretendo distribuir entre os familiares. Como podem ver, tenho grandes planos para minhas quatro mirradas mudas.

citronela

Comprei algumas mudas de ervas também: alecrins, tomilho, pimenta vermelha e alfazema. Um dos alecrins está ficando um pouco amarelado, tinha jogado um pouco do esterco que sobrou quando a grama foi plantada e talvez tenha exagerado, aliás, esterco curtido em demasia faz mal para as plantas?

alfazema
alecrim
pimenta
manjericão

A pintura termina esta semana. Nem acredito. O pintor não encontrou um ajudante e acabou fazendo tudo sozinho no ritmo dele. O pior foi que sua moto quebrou na semana retrasada e ele só conseguiu vir depois do feriado, de bicicleta. O coitado deve ter pedalado uns dez quilômetros para ir e outros dez para voltar nos últimos dias. Não há ônibus em horários decentes para vir para cá. A moto problemática foi vendida e ele conseguiu uma moto nova no consórcio. Foi acertar tudo na sexta. Fiquei contente com a notícia. Tinha perguntado se não era muito cansativo, mas ele disse que não, era até bom porque podia ver coisas que não via antes e prestar atenção na paisagem. Pintor filósofo.

Estou à caça de um vidraceiro que venha até aqui fazer o orçamento das telas mosquiteiras, está difícil. Liguei para as três vidraçarias da cidade e espero que a última se digne a dar o ar da graça. Todo mundo diz que virá "amanhã", mas "amanhã" é sempre uma promessa.

Ainda sem ideias para as refeições de final de ano. Haverá almoços para os dois lados da família antes/depois das festividadades, já o Natal e o Ano Novo serão a dois como sempre, preferimos não ter que sair nessas datas.

E foi dada a largada para a grande limpeza de final de ano...


21.11.12

Salada de batatas para aperitivo


Faço assim: cozinho batatas bolinhas inteiras em água e sal até que fiquem macias, tempero ainda quentes com vinagre, cebola picada, salsinha picada, pimenta vermelha picada, azeite, sal e pimenta do reino. Deixo tomar gosto por algum tempo e pronto.

* Gosto que  o vinagrete fique bem ácido e picante, mas depende da preferência de cada um.




20.11.12

Em salas de espera


Quando éramos crianças, meu pai trabalhava como autônomo e plano de saúde era um luxo, o que nos levava a recorrer sempre ao serviço público. Na verdade, só procurávamos um médico em emergências, nessas ocasiões, íamos direto para um pronto-socorro, geralmente em horários de plantão, pois era quando meu pai estava em casa e podia nos levar. Lembro do monte de gente na frente da recepção esperando seu nome ser chamado para ir para outra sala onde havia mais espera, ou seja, havia uma antessala da sala de espera. Uma perna quebrada e um resfriado mais resistente eram resolvidos assim.  Por sorte, eu e meus irmãos nunca tivemos nada mais complicado na infância.

Já um pouco mais velha, passei por um período psicologicamente complicado e isso teve alguns efeitos físicos que me levaram a procurar um gastrologista. Um episódio verdaderiramente kafkaniano. Para conseguir ver o médico, era necessário ir bem cedo ao SUS da cidade vizinha para pegar uma senha. O número de senhas distribuídas por dia era limitado e quem não conseguisse o papelzinho tinha que voltar no dia seguinte. Com senha em mãos, ainda era preciso seguir até a recepção, esperar sua vez e marcar o horário com a especialista desejado. Coisa de mês ou mais. 

Enfim, chegou o dia. A sala de espera estava lotada e não havia um horário definido. Todo mundo chegava e ficava esperando ser chamado. Os mais sortudos seriam chamados primeiro. Tratamento de gado. Estava sentada lá e uma senhora, gente simples, se sentou ao meu lado acompanhada da neta e começou a puxar assunto. 

Olhando ao redor, "Nossa, só tem homem!". Voltando-se para mim, "Você sabe que os homens vêm aqui porque têm problema lá no c*, né? Eles fazem 'aquilo' com outros homens. São todos vi***s!". Lembrando que o nome da especialidade é gastroenterologia). Nem lembro se disse algo, acho que ignorei. Era uma senhora de idade, com preconceitos bem arraigados. Aquela conversa, mais o ambiente geral, mais a espera, deixaram-me deprimida.

A vida é cruel.

***

Realizei uma cirurgia com o Dr. X há trocentos anos atrás para remover um nódulo de uma das mamas e agora sou obrigada a visitá-lo sempre para acompanhar os nódulos que sobraram, tenho um par deles, são todos benignos e vivem sendo fotografados, já se tornaram íntimos. 

Quando conheci o Dr. X, ele era um médico promissor em início de carreira que atendia em um consultório lotado e minúsculo. Dez anos depois, entro em uma clínica espaçosa, com uma sala de espera com televisão de várias polegadas, revista Caras, wifi e máquina de café espresso. Uma mudança e tanto. O que não mudou foi o tempo de espera de várias horas. A mulherada que aparece lá sabe que tomará um chá de cadeira, mas todas estão resignadas, afinal, Dr X virou um bam-bam-bam da área. De quebra, ele é simpático. Sua sala é grande, cheia de livros médicos, um Aurélio, próteses de silicone sobre a mesa, um pequeno altar e bíblia na estante. 

Na última vez, uma senhora de uns setenta anos entrou na sala de espera e, apesar das inúmeras poltronas vazias, decidiu se sentar entre mim e outra paciente. Dava para ver que ela queria ter com quem conversar. Chegou fazendo perguntas sobre o tempo de espera para a vizinha da direita, esta notou as intenções da senhora e saiu sob o pretexto de beber água. Eu era a outra alternativa e ela perguntou qual era meu horário e começou a comentar que já vinha preparada para esperar. "Eu venho quando não tenho mais nenhuma preocupação, porque sei que vou ficar aqui o dia inteiro!", pausa, "Minha única preocupação é o meu marido, ele tem aquela doença que faz a pessoa fugir... Fico com medo de que ele saia de casa e suma, depois eu tenho que ir procurar. Ele tem parkinson!", batendo na testa, "Não é aquela outra, como se chama? Alzeheimer! Isso! Ele foge e eu tenho que procurar!" Balanço a cabeça sem saber o que dizer, mas não quero prolongar a conversa que não sei onde pode chegar. Felizmente, sou chamada.

A vida é triste.


17.11.12

Costelinha de porco ao molho barbecue e biscuits de batata-doce


Pintor emendou o feriado enquanto meu médico querido e atrasildo atendeu ontem, resolvi ir, achei que o feriado diminuiria a disposição das pacientes de aparecer e a espera seria menor do que três horas, e foi. Cheguei às 8h e fui atendida às 9h30 (a consulta era as 9h).

Depois da espera, encontrei o O. para fazer as compras da semana. Geralmente evito as costelinhas de porco porque as acho muito gordurosas, mas vi algumas com muito boa aparência no supermercado e resolvir comprar. Sempre que comemos em restaurantes de pratos "americanos", o O. pede costela com molho barbecue, então, resolvi testar uma receita em casa.

Usei a versão da Irene com adaptações. Dei um toque oriental adicionando gengibre ao tempero da carne. Gostei da ideia de assar as costelas pré-temperadas cobertas com papel alumínio e descartar o líquido fora, basicamente gordura, e depois cobrir com molho barbecue e levar ao forno novamente para finalizar.

Como acompanhamento, fiz um coleslaw simples: coloco repolho picado, cenoura ralada e cebola fatiada em uma tigela grande, junto um pouco de sal e misturo. Deixo descansar um pouco, depois dou algumas espremidas com as mãos para retirar o excesso de líquido e para reduzir o volume. Tempero com maionese, mostarda tipo dijon, vinagre, pimenta do reino e mel, quando há necessidade, um pouco de sal.

O outro acompanhamento foi um biscuit feito com batata-doce e alecrim. Ficou bastante bom. Crocante e quebradiço, acho que foi a primeira vez em que um biscuit feito por mim ficou decente. Vi a receita no A Sweet Spoonful, fiz adaptações, reduzi a quantidade de manteiga e substituí o leite por creme de leite, pois tinha quase uma caixinha inteira aberta na geladeira.




Costelinha de porco ao molho barbecue (adaptada daqui)

1 costelinha de porco, aproximadamente um quilo a um quilo e meio (usei a costelinha já em pedaços e removi os pedaços maiores de gordura)
sal a gosto
3 dentes de alho picados
1 c sopa de gengibre ralado

Molho Barbecue Caseiro

 2 copos de ketchup (eu usei da marca Heinz)
1/4 de copo (americano) de vinagre
1/4 de copo (americano) de molho inglês
1/4 de copo (americano) de açucar mascavo
2 colheres (sopa) de melaço 
2 colheres (sopa) de mostarda dijon
1 colher (sopa) de molho de pimenta Tabasco
1/2 colher (chá) de pimenta do reino


Misturar todos os ingredientes do molho barbecue caseiro em uma panela e levar ao fogo médio até o molho engrossar. Deixar esfriar e reservar.

Temperar a costelinha de porco com sal, alho e gengibre e  deixar descansar por no mínimo 30 minutos. Colocar a costelinha de porco em uma assadeira pequena forrada com papel alumínio. Cobrir os dois lados da costelinha de porco com a metade do molho barbecue caseiro que estava reservado. Embrulhar a costelinha de porco no papel alumínio duas vezes (um papel alumínio sobre o outro) para não vazar o molho. Deixar a costelinha de porco embrulhada dentro da assadeira na geladeira de um dia para o outro.

Tirar da geladeira a assadeira com a costelinha de porco embrulhada e levar para assar em forno baixo (mínimo) por aproximadamente 1 e 1/2 hora (no mínimo uma hora).

Tirar o alumínio e jogar fora todo o líquido que acumulou durante o cozimento.

Forrar outra assadeira pequena com o papel alumínio. Besuntar bem os dois lados da costelinha de porco com o restante do molho barbecue caseiro.

Levar novamente para assar em fogo médio para dourar por aproximadamente 45 minutos.







Biscuit de batata-doce e alecrim (adaptada daqui)

3/4 x de batata-doce amassada (cerca de 1 grande, a minha rendeu cerca de 1 1/2x e usei tudo)
3/4 x de farinha integral
3/4 x de farinha
3 1/2 c chá de fermento em pó
3/4 c chá de sal
1 c sopa de alecrim seco bem picado
4 c sopa de manteiga fria cortada em cubinhos
1/2 x de creme de leite

Comece preparando as batatas: pré-aqueça o forno à 200 C. Pique a batata com um garfo várias vezes e coloque sobre uma das grades do forno. Asse por cerca de 1 hora ou até que fique macia. Retire do forno e deixe esfriar completamente. Descasque e amasse com um garfo. (Como não queria usar o forno só para assar a batata, eu a piquei em pedaços grandes, coloquei em um refratário, cobri com filme plástico e levei ao micro-ondas. Deixei alguns minutos em potência alta e ia picando para ver se estava no ponto ideal. Descasquei e usei).

Aumente a temperatura do forno para 220C. Unte uma forma com manteiga ou forre com papel manteiga.

Misture as farinhas, o fermento, o alecrim e o sal em uma tigela grande. Junte a manteiga e, com as pontas dos dedos, incorpore-a aos ingredientes secos até obter uma espécie de farofa. Adicione o creme de leite e a batata-doce e misture apenas o suficiente para formar uma massa mais coesa. (Adicione leite caso fique muito farinhento, a massa tem aparência bem rústica).

Derrube 2-3 colheradas dessa mistura para formar um biscuit (ou faça menores com uma colherada grande como eu) sobre a assadeira. Asse por cerca de 16-20 minutos, ou até que eles cresçam e a parte superior fique firme e comece a dourar. São melhores logo após serem feitos, mas podem ser conservados à temperatura ambiente e aquecidos antes de serem servidos. 

Na receita original, a autora os serve com Honey Butter: 3/4 de manteiga à temperatura ambiente com 3 c sopa de mel.



13.11.12

Salada de trigo, cenouras e nozes


Grãos de trigo cozidos, cenouras raladas, pedaços de nozes. Tempero de vinagre balsâmico, molho de soja, azeite e mel.




A época de chuvas parece ter chegado. Olá, dias quentes, úmidos e abafados! Realmente vocês não são os meus preferidos!

Sem novidades por aqui, estamos tentando comer mais saladas, faço poucos doces, tento comer cada vez menos açúcar e sal. Questão de reduzir os venenos... 

O pé de acerola está glorioso, assim como a quantidade de pernilongos que tenho que enfretar dentro e fora de casa. Não está fácil dormir, acordamos todas as noites com um danado no quarto. Jogo inseticida durante o dia, deixo o raid ligado antes de deitar, mas lá pela uma da madrugada os ataques começam... 

Como vocês lidam com esse problema? Estou enlouquecendo! A casa está sendo pintada e as telas mosquiteiras precisam ser substituídas, má epóca para removê-las!

Abaixo, minha última aquisição: uma churrasqueira portátil! Sempre quis fazer meus grelhados do lado de fora e não resisti: R$ 29,05, frete incluído. Para duas pessoas, quebra o galho. É um pouco trabalhoso acender o carvão para grelhar alguns legumes e uns tecos de carne, mas comida preparada assim tem outro gosto! Espero que dure.


A nova cor da casa é essa aí atrás. Chama-se "linho antigo", um pastelzinho discreto. Antes, era uma mistura de amarelo desbotado, cinza reboco e várias manchas pretas de mofo.


7.11.12

Nuggets de frango



Rápidas:

Pintura em casa, mais alguns reparos (eles parecem não ter fim!) e outros afazeres têm me mantido longe do blog.

Quando acordei no domingo, o filhote de passarinho não estava mais no ninho. Acho que virou refeição de alguma coruja, gato ou gambá. Ficamos chateados, uma pena.

***

Receita do Pecado da Gula, mas acabei preparando segundo a versão da Tatiane. Fiz só com o tempero básico: sal e pimenta, mas ficaram gostosos. Assei ao invés de fritar e servi com um molho feito com mostarda tipo dijon, maionese e mel.



Nuggets de frango


2 peitos de frango, médios cortados em pedaços
1 cebola
1 dente de alho
2 a 3 colheres (sopa) maionese
temperos a gosto (sal, pimentas, ervas, etc.)

para empanar:
farinha de trigo (usei amido de milho)
ovo
pão ralado



No processador, coloque a cebola e o alho para deixar tudo picadinho (se preferir, pique tudo na faca), coloque a carne de frango, temperos e maionese. Processe até ficar bem moído.

Com o auxílio de 2 colheres, molde os nuggest, fazendo bolinhos achatados, passe pela farinha de trigo (fica uma massa bem pegajosa, só depois de passada na farinha é que será possível moldar direito com as mãos).

Passe pelo ovo batido e por último pelo pão ralado. Coloque em assadeiras untadas com óleo, vire uma vez para que os dois lados fiquem besuntados e leve ao forno. Deixe dourar de um lado e depois vire e doure do outro.

Eles também podem ser congelados, a Tatiane os coloca em uma assadeira baixa, mantendo distância entre eles e depois guarda em sacos plásticos. Podem ser assados sem descongelar em forno pré-aquecido por uns 25-30min, virando na metade do tempo.


24.10.12

Biscoitos com frutas secas e gergelim


Juntei alguns ingredientes da despensa e improvisei um biscoito para matar a vontade de comer algo doce. Usei restos de frutas secas (tâmaras e damascos) e completei com um pouco da gordura com tahine. Como já estava no tema, adicionei um pouco de gergelim à massa. O sabor do tahine sumiu, mas o gergelim foi uma adição boa. Os bicoitos ficaram bem gostosinhos.



Biscoitos com frutas secas e gergelim

1 x farinha de trigo
1/2 x de farinha integral
50g de manteiga à temperatura ambiente
2 c sopa cheias de tahine
2/3 x de açúcar mascavo
1 ovo
1 c chá de bicarbonato de sódio
2 c sopa de gergelim
1/3 x de frutas secas picadas (podem sem damascos, tâmaras, figos ou passas, usei tâmaras e damascos)

Misture a manteiga e o tahine com o açúcar, adicione o ovo, as farinhas e o bicarbonato. A massa deve ser macia e fácil de manusear. Adicione o gergelim e as frutas secas. Faça bolinhas, achate ligeiramente e coloque-as sobre uma assadeira ou refratário (não precisei untar). Asse até que que os biscoitos dourem. 



22.10.12

Salada de beterraba e abacate


Salada que combina sabores e texturas de que gosto bastante. Beterrabas assadas e cubos cremosos de abacate. Como tempero, fiz um molho usando shoyu para o salgado, vinagre balsâmico para um pouco de acidez, mel para realçar o adocidado da beterraba e azeite para dar uma untosidade a tudo.


20.10.12

Esfiha


Achei uma receita muito boa de esfiha, a massa é fácil de trabalhar, fica leve depois de assada e nem precisei polvilhar farinha na hora de abri-la com o rolo. Algumas das esfilhas "vazaram", mas acho que meu problema é querer usar recheio demais e massa de menos. Fiz 1/3 da receita.



Esfiha

Massa
1 kg de farinha de trigo
10 g de fermento biológico seco instantâneo
1 copo (americano) pela linha de óleo (150 ml)
2 copos de leite (300 ml)
3 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (sopa) de sal
3 ovos

Recheio
1/2 kg de carne moída crua
2 cebolas picadinhas
2 tomates picadinhos sem sementes
sal a gosto
pimenta-do-reino a gosto
suco de limão a gosto
hortelã picada a gosto


Modo de Preparo

Para a massa, coloque em uma vasilha o fermento e o leite morno. Mexa até o fermento dissolver. Depois, acrescente o óleo, o açúcar, o sal e as claras (reserve as gemas). Misture bem. Acrescente aos poucos a farinha de trigo até a massa desgrudar dos dedos. Sove bastante em uma superfície levemente enfarinhada. 

Em seguida, faça bolinhas do tamanho da mão em concha. Coloque-as numa superfície polvilhada com farinha de trigo e deixe descansar por 30 minutos.

Depois que as bolinhas dobrarem de volume, abra com rolo como se fosse fazer pastéis (o formato deve ficar redondo). Misture os ingredientes do recheio e coloque no centro dos discos de massa. Feche formando um triângulo. Coloque as esfihas em uma assadeira e pincele com as gemas. Deixe descansar por mais 5 minutos e leve ao forno, pré-aquecido, até dourar.

19.10.12

Osamu Dazai - Justiça e sorriso


E continuo lendo Osamu Dazai.

Minha tradução do título original ficou horrível, mas foi a primeira coisa que me ocorreu. Seigi to Bishou é o diário de um jovem de dezesseis anos que procura encontrar seu caminho. Ele escreve sobre suas frustrações com a idiotice dos outros e a falta de sentido das coisas. Quem já foi adolescente, ou continua vivendo uma longa adolescência, entende do que se trata.

Sua mãe tem uma doença que parece ter um fundo mais histérico do que real, seu pai faleceu há alguns anos, a irmã se casou e mora em outro bairro de Tóquio. Seu irmão mais velho é um aspirante a romancista e passa as noites escrevendo, o relacionamento entre os dois é muito bom.

Dinheiro não parece fazer falta à família, pois os rapazes podem se dar ao luxo de fazer o que tiverem vontade. O autor do diário entra em uma faculdade, mas não gosta do ambiente. No fundo, sua ideia é tornar-se um ator. Ele presta exames para fazer parte de um grupo de teatro kabuki, é bem sucedido, deixa a faculdade e dedica-se ao teatro, mas não fica satisfeito. Há sempre uma nuvem escura em algum canto, logo depois que ele consegue aquilo que deseja, seu entusiasmo se desvanece e isso o deprime.

À medida que avançamos na leitura, vemos o garoto arrogante de dezesseis anos tornar-se um adulto. Qual a expectativa em relação ao futuro se não importa o que faça, tudo sempre acabará dando no mesmo? Continuar da melhor forma possível, conclui ele.

Parece a versão masculina de A estudante que li há algum tempo atrás. Gosto quando Dazai dá voz a adolescentes. Ele retrata bem os seus rompantes de alegria e tristeza, a forma como eles julgam o mundo em preto e branco,  ainda sem tons de cinza. Ele também não se esquece de descrever a profunda solidão desse período da vida. 



18.10.12

Um tipo de burrito recheado com feijão fradinho, abacate e carne de porco



Fiz uma porção de tortillas de trigo usando a receita de sempre. Uma salada de feijão fradinho cozido, abacate, tomate, cebola e coentro temperada com suco de limão e sal. Tiras de lombo grelhado (temperei com sal, limão e pimenta, cominho seria interessante, mas não tinha). É só juntar tudo, enrolar e comer. 


 A carne pode ser qualquer uma mesmo, aves ou peixes, a sobra do bife, um assado, etc. Os vegetarianos podem comer só com a salada de feijão e ainda complementar com alface picada, queijo, creme azedo, etc.


Se quiser economizar tempo, use um daqueles pacotes de wraps vendidos nos supermercados. Eu não gosto deles, tenho a impressão de que pegaram a massa do pão de forma e puseram-na sobre uma chapa, mas admito que quebram o galho de vez em quando.



16.10.12

Bacalhau gratinado com legumes


Ou será que são legumes gratinados com bacalhau? Acho que depende da proporção dos ingredientes. Desculpem, mas ando sem paciência para anotar quantidades e medidas exatas. O que fiz foi levar abobrinhas, pimentão vermelho e cebolas fatiados e temperados com sal, pimenta e azeite para assar até que ficassem macios. Retirei do forno e juntei algumas batatas cozidas inteiras em água e sal, descascadas e cortadas em fatias meio grossas. Adicionei o bacalhau em pedaços já demolhado (deixado de molho, aferventados, sem pele ou espinhas, o de sempre), misturei tudo com cuidado e corrigi o tempero juntando uma pouco mais de azeite. Coloquei a mistura em um refratário e cobri um um molho branco (manteiga, farinha, leite, noz moscada, sal) ao qual havia juntado meio copo de requeijão. Polvilhei parmesão ralado e levei ao forno para gratinar. 

Legumes podem ser variados, proporções podem ser variadas, mais requeijão e mais queijo podem ser adicionados. Costumo usar um molho branco com uma consistência não muito firme para que o resultado final após o forno seja mais cremoso. 

Ficou gostoso, mas mudaria algumas coisas: ao invés de levar a cebola para assar junto com os outros legumes, eu a teria refogado em azeite com um pouco de alho picado e o bacalhau, temperando tudo com sal e pimenta antes de juntar aos legumes assados. Também teria assado as batatas cortadas em cubos temperadas com sal, pimenta e azeite, ao invés de cozinhá-las, achei que ficaram meio sem graça cozidas.



15.10.12

Outro pão integral com aveia


Pão simples, sem segredos. Quase sempre moldo pães menores para congelar e aquecer no micro-ondas, 30-40 segundos e tenho um pão quentinho. O. prefere pão de forma integral industrializado para colocar na torradeira.

Já não vivo sem pão caseiro. Sinto muita falta, muita. O pão caseiro resseca mais rápido, mas o sabor é tão bom!




Outro pão integral com aveia

1/2 chá de fermento biológico instantâneo seco
1 x de água morna
1/3 x de açúcar mascavo
1 c chá rasa de sal (mais ou menos de acordo com sua preferência)
1/3 x de azeite de oliva
1 x de farinha de trigo integral
1 x de flocos de aveia
entre 1 1/2 - 2 x de  farinha

Misture o fermento, a água e o açúcar mascavo em um recipiente grande e espere o fermento subir e espumar. Isso leva uns 10-15 minutos. Junte os demais ingredientes adicionando a farinha aos poucos enquanto mexe com uma colher de pau até obter uma massa fácil de manusear e sovar com as mãos. Sove durante alguns minutos. (Para ser honesta não sovo muito, apenas o suficiente para que os ingredientes fiquem bem incorporados). Molde uma bola com a massa, cubra o recipiente com um pano de prato e deixe crescer até dobrar de volume. Geralmente deixo umas 4 horas. Molde a massa no formato desejado, coloque sobre uma forma levemente enfarinhada e deixe crescer novamente. Asse até dourar.





13.10.12

Pêssegos assados


Essa é a forma como preparo quase todas as frutas que consumo mornas. Misturei mel e azeite (um pouco mais de mel do que azeite), alecrim seco (pode ser fresco) e uma pitada de sal. Coloquei colheradas dessa mistura sobre algumas metades de pêssego e levei ao forno para assar.

Os pêssegos podem ser comidos assim mesmo, gosto de adicionar um pouco mais de mel quando eles são mais ácidos, servidos com iogurte, sorvete, granola ou mesmo como complemento de uma salada de rúcula com nozes, queijo de cabra e um molho para dar um toque ácido.

O alecrim pode ser substituído por tomilho ou anis.

12.10.12

Das garrafas


Se há algo que não consigo fazer com muita facilidade, é jogar garrafas, latas e vidros usados fora. Moro longe dos centros de coleta para reciclagem e mesmo que fosse juntando os vidros para levá-los até lá, o O. provavelmente não gostaria da ideia de encher o carro com "lixo". Mas meu apego por garrafas e potinhos nem sempre está relacionado a valores ecológicos, muitas vezes, ele é puramente estético. Acho algumas garrafas e latas bonitas e acabo conservando algumas para usá-las como vasos ou simplesmente deixá-las em uma estante. Como seu número foi crescendo e temi que o O. acabasse jogando tudo fora para abrir espaço para suas novas aquisições, botei tudo dentro de uma caixa na esperança de um dia ter espaço para elas. 

Para minha alegria, tenho visto muitos sites e blogs de DIY ("do it yourself", "faça você mesma") americanos em que vidros de conserva são usados como copos para servir coquetéis e sobremesas, ou como vasos de centro de mesa, e me senti vingada, afinal, sempre usei os copos de requeijão e nunca entendi a razão de jogar bons vidros  e latas fora quando tanto trabalho e material foi empregado na sua elaboração. E, convenhamos, quando você compra um produto, não paga apenas pelo conteúdo, mas também pela embalagem. 

Além do aumento da consciência ecológica, os americanos estão em uma situação que não permite desperdícios e exige criatividade para driblar gastos supérfluos, por isso, atualmente é "trendy" reciclar, usar caixas de frutas como mesinhas, botar um laço no vidro de geleia e enchê-lo de flores quando há festas, acho essas soluções muito racionais, além disso, algumas ideias são encantadoras. Não sei se isso funcionaria por aqui, pois ainda estamos na fase em que consumir é essencial e tudo deve ser novo e vistoso, mas tenho minhas esperanças.

Infelizmente, ainda jogo muita coisa fora por questões de espaço, mas quero melhorar.


11.10.12

O gato louro

Sem novidades por aqui. Esses últimos dias andei me sentindo cansada. Nem sei explicar, era como se tivesse sido picada pela mosca tsé-tsé, tudo o que sentia vontade de fazer era me deitar e tirar um cochilo. Talvez fosse o calor, a pressão, sei lá. Estou melhor agora. Vamos ver se cozinho algo apresentável no final de semana.

Este é um dos meus gatos locais preferidos, tenho a impressão de que ele foi tosado, a juba está menor.





8.10.12

Chile, vinícolas, dia 3

Saímos às 8h30 em direção ao vale de Casablanca, localizado entre Santiago e Valparaíso. Trajeto até curto de cerca de uma hora. Havia uma profusão de flores amarelas crescendo às margens da rodovia, não tirei fotos, mas nos disseram que elas se chamam dedais de ouro.

Paramos em um pequeno restaurante no meio do caminho e comemos uma empanada chilena acompanhada de um vinho levado por nosso guia. O. gostou tanto do instrumento usado por ele para aerar o vinho que acabou comprando um para trazer de volta.


Era cedo para uma refeição assim com "sustância", mas a empanada era muito boa, assada em um grande forno de barro, com gosto caseiro e carne bem temperada. Ia bem com o carmenère.


Mas o melhor era o molho chamado pebre com o qual a empanada foi servida. Uma mistura de sabores ácidos e picantes. Quase todas as receitas que vi na internet levam tomates, mas o que comemos definitivamente era feito sem eles.


Depois da empanada, paramos na vinícola Emiliana e nos juntamos a um grupo que participava da visita organizada pela casa. A guia dá uma pequena volta pela propriedade e explica a filosofia da vinícola, que segue princípios da agricultura orgânica e algo que eles chamam de agricultura biodinâmica.

Galinhas são usadas no controle das pragas. Os galinheiros são móveis e podem ser levados até os pontos onde há alguma infestação de insetos ou lagartas. Galinhas bem gordinhas e apetitosas, diga-se de passagem.



As alpacas ficam em um cercado e são soltas para pastar entre as videiras.



Os cortes, a rega, várias etapas do cultivo são determinadas de acordo com a posição dos astros, eles prestam uma atenção particular à posição da Lua entre as constelações.

Há vários canteiros de ervas que são transformadas em uma espécie de "adubo energético" (difícil encontrar uma palavra melhor) após passarem por um processo bastante curioso que envolve vísceras de animais, secagem, pulverização. Achei a coisa meio "esotérica". (Tive a impressão de que ter muito dinheiro e ser excêntrico são algumas das características dos proprietários de vinícolas).



Provamos dois brancos e três tintos sozinhos em uma sala no segundo andar da vinícola. Em geral, achei os sauvignons blancs do vale consideravelmente ácidos, leves e frescos, bons para acompanhar um ceviche ou um tartare, por exemplo. O tinto Coyam da Emiliana tem uma boa relação custo/benefício (menos de R$50,00 no Chile, não sei quanto custa aqui).


O almoço foi no restaurante de outra vinícola, a House Morandé, a uma pedrada da Emiliana. Cada prato foi harmonizado com um vinho, as porções eram pequenas, mas excelentes. Tudo muito bom. Acho que valeria a pena fazer uma parada para almoçar por lá. Como as demais vinícolas de Casablanca, a Morandé fica na beira na rodovia, basta parar e entrar.


Pãezinhos quentes, azeite com uma pitada de merquén, um tempero típico no Chile, manteiga e uns canapézinhos com uma espécie de ceviche.


Começamos com um ceviche de salmão


Depois uma fatia de presunto serrano com queijo


Risoto de lula en su tinta


Wagyu, molho de centola e wantan (não me lembro qual era o recheio, acho que era abóbora)


A sobremesa não estava incluída na harmonização, mas pedimos algo para dividir e tirar o salgado da boca.


Arrematamos tudo com um espresso curto, lá, ele é chamado de "ristretto", caso peça um "café negro", saiba que receberá um bom cháfé no estilo americano. Recebemos um ristretto ristrettíssimo. Sério, a menor quantidade de café que já vimos em uma xícara até hoje. Dois golinhos e finito. Mas era bom, bem forte, especialmente para quem não gosta de adoçar como nós.



Para finalizar, paramos na vinícola Indomita, nosso guia disse que o lugar valia mais pela paisagem do que pelos vinhos então nós nos sentamos em um dos sofás da varanda que oferece uma vista panorâmica do vale e abrimos uma garrafa de vinho branco da casa para fazer a digestão sem tomar parte em nenhuma degustação. A subida do estacionamento para a vinícola estava coberta por essas flores lindas.



A vista não é ruim, né?


À noite, jantamos uma salada meio sem graça, mas que quebrou o galho no próprio hotel.

***

Termino com outra bandeira do Chile. Vimos e provamos várias coisas diferentes. Em geral, come-se bem no Chile. Só não entendi muito bem o frisson em torno da "culinária peruana" no país, essa expressão aparece com frequência nas placas dos restaurantes.

Não me enchi de peixe e frutos do mar como tinha planejado, sempre acabava pedindo carne vermelha. Entretanto, não me arrependo. A carne era sempre muito boa, tão boa ou melhor do que aquela que provei na Argentina.


A capital não me agradou tanto nessa visita, mas há muitos passeios interessantes para se fazer ao redor de Santiago. Um dia ainda vou a Valparaíso e verei os Andes de mais perto, por exemplo. Também quero rever as videiras carregadas de frutas no outono. Enfim, não descarto um retorno.